Curso de interpretação bíblica

O propósito do curso é apresentar as regras fundamentais de interpretação da Bíblia, para que os alunos possam encontrar o sentido correto de cada passagem estudada, visando aplicá-la na sua vida e proclamá-la à outros.

BAIXAR MATERIAIS DO CURSO FAZER INSCRIÇÃO DO CURSO

Curso

Quando são as aulas?

Toda segunda-feira do ano de 2017 das 19h30min às 20h30min

] Veja nosso calendário [

Quem pode participar?

Pessoas interessadas em aprender a interpretar e ensinar a Bíblia

] Eu também quero [

Onde são as aulas?

As aulas acontecem nas dependências do Núcleo Nova Vida

] Saiba como chegar [

Como posso me inscrever?

Para se inscrever basta preencher a ficha de inscrição online

] Faça sua inscrição [

BLOG

BÍBLIA ELETRÔNICA E-SWORD E MYSWORD




BÍBLIA ELETRÔNICA E-SWORD (PC E MAC) 


      Se você quiser uma Bíblia eletrônica gratuita, mas extremamente versátil, a e-Sword pode ser o que você está procurando. Essa preciosidade pode ser facilmente baixada, e a instalação é simples e fácil, graças ao recurso de extração automática presente no programa básico. O layout básico da tela da e-Sword inclui três janelas separadas. Uma exibe o texto da Bíblia. Outra exibe os comentários e uma terceira tela exibe os dicionários. Entretanto, é fácil clicar em um botão para exibir somente uma das opções.



      A pesquisa é uma tarefa fácil e rápida na e-Sword e pode ser feita em todas as versões da Bíblia. A busca pode ser feita por palavra ou por frase, e pode ser limitada apenas ao Antigo Testamento, ao Novo Testamento, ou ainda a Bíblia inteira. Do mesmo modo pesquisas podem ser feitas, por palavra ou frase, em comentários e dicionários. 

      Uma das coisas mais notáveis da e-Sword é a possibilidade de expandir o seu potencial baixando, de maneira simples e fácil, várias Bíblias, dicionários, comentários, mapas e livros. Tudo isso de graça! Estes e muitos outros recursos (os quais não temos tempo de descrevê-los aqui) fazem da e-Sword uma das melhores Bíblias disponíveis atualmente. Este software gratuito não fica longe de outros programas que custam várias centenas de reais. Para começar a conhecer esse maravilhoso recurso siga o processo abaixo:


      1. Faça download gratuitamente do e-Sword e instale em seu computador como qualquer programa: http://www.e-sword.net






      2. Em seguida cadastre seu principal e-mail para receber o link para baixar os módulos que desejar, na maior biblioteca do software: http://www.biblesupport.com/e-sword-downloads/






MYSWORD PARA CELULARES E TABLETS ANDROID 








Para baixar o MySword para seu celular ou tablete Android, basta entrar na loja de aplicativos do android e seguir os seguintes passos: 

1. Busque por MySword no Play Store. 

2. Instale o aplicativo normalmente. 

3. Abra o aplicativo e selecione idioma 'pt_BR' para traduzir o App e os módulos que você desejar baixar. Nesse momento, você não encontrará todas as versões disponíveis em português. Para isso teremos que fazer outro passo, o qual você poderá descobrir falando com o diácono Marcos Ribeiro. 

Obs.: A Bíblia que usaremos no nosso curso é a JFA (RA)+





BAIXE A APOSTILA PARA APRENDER A USAR A BÍBLIA





Te vejo no próximo post!



Pastor Jailson Santos
http://jailsonipb.blogspot.com.br

NÃO SAIA DE MÃOS VAZIAS RECEBA AGORA MATERIAIS GRATUITOS EM SEU E-MAIL
Visite o blog do Professor Jailson Santos

4 PASSOS SIMPLES PARA INTERPRETAR UM TEXTO BÍBLICO


4 PASSOS PARA INTERPRETAR UM TEXTO BÍBLICO




       Neste post vamos falar sobre o método analítico de interpretação bíblica. Ele é utilizado nos estudos pormenorizados com observação e anotações de detalhes, com a finalidade de descrevê-los e estudá-los em todas as suas formas. Os passos básicos deste método são:



No primeiro passo, a “OBSERVAÇÃO”, o leitor assumirá o papel de detetive e ele fará várias leituras do texto selecionado nas várias versões da bíblia, a fim de perceber o que o texto diz. A maneira eficaz de fazer isso é “bombardear” o texto com perguntas e ficar atento às palavras-chave, construções das frases e estrutura do texto. Vejamos como aplicar as perguntas abaixo em um estudo de um texto bíblico.

No segundo passo, “INTERPRETAÇÃO”, o leitor fará o papel de analista. Este é o momento de “compreender o sentido daquilo que foi observado durante as leituras”. Se a observação procura responder à pergunta: “O que o texto diz?”. A interpretação procura responder à pergunta: “Que ele significa?”.  Neste momento, o leitor deve considerar uma regra básica de interpretação, a saber: “um texto não pode significar aquilo que nunca poderia ter significado para o seu autor e para os seus destinatários originais”. Dito de outro modo, nesta parte do estudo, você procura explicar o sentido da passagem e compreender o sentido que as palavras tinham para o escritor no seu tempo.

A CORRELAÇÃO” é um passo importante quando você está estudando uma passagem específica da Bíblia. Aqui sua interpretação pode ser testada como verdadeira ou falsa. Além disso, aqui você pode olhar outras passagens para ajudar a obter uma imagem maior do que está acontecendo em sua passagem. Existem basicamente dois tipos de passagens a considerar nesta etapa: passagens paralelas e passagens citadas. Um dos melhores exemplos de passagens paralelas está nos Evangelhos. Mateus, Marcos, Lucas e João escreveram tudo sobre os acontecimentos na vida de Jesus. Há muita sobreposição entre esses livros, especialmente entre os três primeiros. Ler como os outros autores lidaram com a mesma história pode iluminar a ênfase distinta do escritor do livro que você está estudando. As passagens citadas são porções que são mencionadas direta ou indiretamente em outros lugares da bíblia. O mesmo pode ser dito para personagens mencionados ou histórias aludidas.

Você pode entender tudo sobre uma passagem específica, mas se você não aplicá-la em sua vida, é basicamente inútil tudo o que você fez até aqui. A “APLICAÇÃO” é, então, o momento no qual a ideia observada, entendida e confirmada, passa a ter vida! Algumas perguntas podem ajudar neste processo. Existe um exemplo para eu seguir? Há um pecado a evitar ou confessar? Existe uma promessa para confiar? Existe uma oração para repetir? Existe uma ordem para obedecer? Há um desafio a enfrentar?

Neste post vamos oferecer um exemplo do primeiro passo a “OBSERVAÇÃO”. Como falamos acima, a maneira eficaz de fazer isso é “bombardear” o texto com perguntas e ficar atento às palavras-chave, construções das frases e estrutura do texto. Vejamos como aplicar as perguntas abaixo em um estudo de um texto bíblico.



                     ] Pode perguntar que o texto responde [



HEBREUS 1. 1-3 - EXERCÍCIO PRÁTICO DE OBSERVAÇÃO

1 Havendo Deus, outrora, falado, muitas vezes e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas...





2 nestes últimos dias, nos falou pelo Filho, a quem constituiu herdeiro de todas as coisas, pelo qual também fez o universo.





3 Ele, que é o resplendor da glória e a expressão exata do seu Ser, sustentando todas as coisas pela palavra do seu poder, depois de ter feito a purificação dos pecados, assentou-se à direita da Majestade, nas alturas,





PRINCIPAIS IDEIAS DO TEXTO

  1. CRISTO É O ápice da revelação do Pai (v. 1)
  2. CRISTO É O herdeiro da criação do Pai (v. 2)
  3. CRISTO É O agente da criação do Pai (v. 2)
  4. CRISTO É O Resplendor da glória do Pai (v. 3)
  5. CRISTO É A imagem exata da natureza do Pai (v. 3)
  6. CRISTO É O sustentador da criação do Pai (v. 3)
  7. CRISTO É O meio de perdão da criação do Pai (v. 3)
  8. CRISTO É O real e sacerdotal Messias enviado pelo Pai (v. 3)



PARA PENSAR E PRATICAR

  • Jesus é superior a tudo e todos (E daí?)
  • Jesus é o ápice da Revelação (E daí?)
  • Jesus é o próprio Deus (E daí?)
  • Jesus foi um homem como demais (E daí?)



Te espero no próximo post.

Caso queira receber este material em seu e-mail CLIQUE AQUI


RECEBA AGORA MESMO MATERIAIS GRATUITOS EM SEU E-MAIL

Visite o blog do Professor Jailson Santos

Pregação Cristocêntrica


Por
Pastor Jailson santos
“Esta é a era de sermõezinhos: e sermõezinhos fazem cristãozinhos” (Eby, 2001, p. 38).  Essa frase dita por Michael Eby é o diagnóstico da realidade vivida em muitas igrejas contemporâneas. Em algumas comunidades, a centralidade do culto não é mais a pregação expositiva e cristocêntrica da Palavra, ao contrário, reside na animação (o louvor, os teatros, as coreografias). Os cultos têm sido mais antropocêntricos do que logocêntricos. A pregação da Pessoa e Obra de Cristo tem sido esquecida e até mesmo abandonada. Além disso, não são poucos os pregadores que pregam mais para massagear o ego do que para apontar o pecado. Pregam mais para agradar a clientela do que a Deus. O fato é que muitos cristãos estão se desviando da verdade. MacArthur (1997, p. 130) nos alerta com as seguintes palavras:
Os que desejam colocar a dramatização, a música e outros meios mais sutis no lugar da pregação deveriam levar em conta o seguinte: Deus, intencionalmente, escolheu uma mensagem e uma metodologia que a sabedoria deste mundo considera como loucura.

            Essa dificuldade não é nova. A Igreja de Colossos enfrentava a mesma dificuldade que enfrentamos hoje. Nossos irmãos do passado estavam sendo levado por uma pregação, que ao mesmo tempo em que ficava aquém de Cristo, ia além dele. Paulo os exorta da seguinte forma:

...permaneceis na fé, alicerçados e firmes, não vos deixando afastar da esperança do evangelho que ouvistes e que foi pregado a toda criatura debaixo do céu, e do qual eu, Paulo, me tornei ministro. (Colossenses 1.23, ARA)

Paulo encoraja os cristãos de Colossos para resistir aos agrados dos falsos mestres e continuar a crescer no conhecimento de Cristo. Com isso, ele quer confrontar os colossenses com a realidade de que sua salvação depende do fato deles permanecerem fiéis[1] a Cristo e ao evangelho verdadeiro (Melick, 2001). Como podem os colossenses continuar na fé? O Apóstolo mostra que positivamente, eles deveriam permanecer firmes; e negativamente, não se afastando da esperança do evangelho de Cristo.  Paulo exorta os colossenses a concentrarem-se na esperança, que vem através da resposta ao evangelho, em distinção a falsa esperança de ser realizada pelos falsos mestres (MELICK, 2001).
Além disso, o apóstolo lembra aos colossenses que o evangelho pregado por ele é o único dado pelo próprio Cristo e não há outro. Este, sem dúvida, contrasta com as visões sectárias que eram propagadas entre os colossenses, por aqueles que estavam apresentando outro evangelho. Este lembrete mostra uma dupla afirmação sobre a verdade do evangelho: 1) Foi o mesmo pregado em toda a criação, e é o que Paulo tem pregado. 2) O elemento central do evangelho é a Pessoa e a Obra de Jesus (MELICK, 2001). 
Paulo mostra que o Evangelho de Cristo é o centro das Escrituras! Aos judaizantes que queriam interpretar a Escritura sem considerar a Pessoa e Obra de Cristo, o apóstolo assevera, nesta carta e em outras, que toda a Escritura fala direta ou indiretamente sobre Cristo. :
Agostinho, seguindo esta ideia, afirma que o cânon bíblico, inclusive o Velho Testamento (que os judaizantes tanto seguiam), deve ser abordado como uma unidade cristocêntrica (Apud Anglada, 2006, p. 125). Em outras palavras,um evento na vida dos patriarcas, um episódio da vida de Davi, uma experiência dos profetas não podem ser apresentadas como uma cena isolada, mas como uma unidade cristológica. Thomas Adams (Apud Anglada, 2006, p. 100) afirma que Cristo é “a suma de toda Bíblia, profetizando, tipificando, prefigurando, exibido, demonstrado, a ser encontrado em cada folha e em cada linha”.
Os reformadores também afirmavam que as Escrituras deveriam ser interpretadas e pregadas de forma cristocêntrica. O princípio cristológico ou cristocêntrico reformado de interpretação e pregação das Escrituras afirma que Cristo é a chave e o centro tanto em uma como em outra. A Bíblia, do início ao fim, se refere a Ele, se concentra nele e dá testemunho dele (Anglada, 2006, p. 179,180). Lutero assevera que “se olharmos seu significado interior, toda Escritura é somente sobre Cristo em todo lugar, ainda que superficialmente possa parecer diferente” (Apud CARDOSO, pp. 57-79).
Para Calvino (apud Anglada, 2006, p. 125), “Cristo é a substância, escopo e essência da revelação bíblica, e só é possível compreender as Escrituras, se elas forem lidas ‘com o propósito de encontrar Cristo nelas’”. Assim, Cristo é o tema central tanto de Velho como do Novo Testamento. Este ensino bíblico apostólico visto nestes personagens da ortodoxia eclesiástica nos lembra da necessidade do reconhecimento da centralidade de Jesus Cristo (sua pessoa e obra) na interpretação e pregação das Escrituras.
Chapell (2002) em seu livro “Pregação Cristocêntrica”, mostra-nos que, em todas as pregações (seja no AT ou no NT), devemos considerar o que ele mesmo chama de “FCD - Focalização da Condição Decaída”. Citando Thomas F. Jones ele afirma:
A verdadeira pregação cristã precisa centralizar-se na cruz de Jesus Cristo. A cruz é a doutrina central dos santos escritos. Todas as outras verdades reveladas, ou encontram seu cumprimento na cruz, ou são necessariamente fundamentadas sobre ela. Portanto, nenhuma doutrina da Escritura pode fielmente ser apresentada aos homens a menos que se torne manifesto o seu relacionamento com a cruz. Aquele que é vocacionado para pregar, portanto, deve pregar a Cristo, pois nenhuma outra mensagem há que proceda de Deus (apud CHAPELL, 2002, p. 294).

Diante disso, devemos entender que a pregação da Bíblia só será entendida de forma clara e completa se feita numa perspectiva Cristocêntrica. Não devemos pregar outra coisa senão Jesus Cristo Ressurreto. Uma pregação separada do centro, na melhor das hipóteses, trará uma moral edificante, mas jamais será uma pregação bíblica (Veer, 2011). Como assevera Chapell (2002, p. 290) “uma mensagem que meramente defende a moralidade e a compaixão permanece na condição de mensagem não integralmente cristã, mesmo que o pregador seja capaz de provar que a Bíblia exige tais ensinamentos”.
Hoje em dia, não são poucos os sermões pregados que jamais mencionam a Cristo. Há outros, que Jesus Cristo é mencionado, mas a atenção dos ouvintes é direcionada para aplicações legalistas, psicologisadas e acima de tudo antropocêntricas. A fim de agradar o homem, a igreja tem pregado um evangelho que deixa de lado o Deus-Homem.
A igreja e a pregação andam juntas, ou elas resistem ao secularismo ou ambas caem juntas; no dizer do Dr. Martin Lloyd-Jones: “a mais urgente necessidade da igreja cristã da atualidade é a pregação autêntica” (apud Eby, 2001, p. 37). C. H. Spurgeon aconselhava os seus alunos que apegassem a verdade e anunciassem todo o conselho de Deus, ao invés de cederem às pressões da época e agradarem aos seus ouvintes. E ensina:

Sinto-me na obrigação de dizer que nosso objetivo não é agradar a clientela, pregar para satisfazer a nossa época, acompanhar o progresso moderno [...] Não procuraremos ajustar a nossa Bíblia a esta época [...] Não vacilaremos; não seremos orientados pela congregação, mas teremos o olhar fixo na Palavra infalível de Deus e pregaremos segundo as suas instruções...(apud Anglada, 2006, p. 31).

Diferente da igreja de Colossos, que precisava permanecer na verdade, nós precisamos voltar à verdade. Calvino, diante da realidade da igreja na qual vivia antes da reforma, chegou à seguinte conclusão: “Se eu me voltar para a verdade que está contida nas Escrituras, não estaria voltando para a Igreja? Não pode haver igreja onde a verdade não esteja” (apud Fisher, 1961, p 90,91). Martin Lloyd-Jones, comentando sobre a Reforma Protestante, diz que: “A maior lição que a Reforma tem a nos ensinar é, justamente, o segredo do sucesso na esfera da igreja e das coisas do Espírito Santo, é olhar para trás”. Lutero e Calvino, diz Lloyd-Jones: “foram descobrindo que estiveram redescobrindo o que Agostinho já tinha descoberto e que eles tinham esquecido” (LLOYD-JONES, 1994, p. 2-5).
A Igreja precisa voltar a um princípio reformado “Sola Scriptura”, e ao tempo dos apóstolos, quando a pregação não era outra senão a pessoa e obra de Cristo. Vivemos em dias em que a metodologia humana tem tomado o lugar da pregação do divino Filho de Deus. A sabedoria e métodos humanos tem substituído a Palavra de Cristo. Entretanto, não precisamos de novos métodos humanos, mas de velhos homens de Deus, dispostos a voltar para as Escrituras e pregá-la de maneira cristocêntrica. A verdade apresentada por Paulo aos cristãos de Coríntios precisa ser trazida à nossa memória: “Visto como, na sabedoria de Deus, o mundo não o conheceu por sua própria sabedoria, aprouve a Deus salvar os que creem pela loucura da pregação”. (1 Co.1.21). Calvino (2006, I. VII. §I) comentado este texto relata:

Portanto, o Apóstolo argui, não sem razão, que a  dos coríntios estava fundamentada no poder de Deus, não nasabedoria humana, porque por entre eles sua pregação se tornara recomendável não em virtude de palavraspersuasivas do saber humano, mas em demonstração do Espírito e de poder, porque a verdade se dirime detoda dúvida quando, não se apoiando em suportes alheios, por si  ela própria é suficiente para suster-se.

Diante das evidências bíblicas, históricas e teológicas, parece impossível pregar eficazmente excluindo Cristo. A relevância desta verdade está no simples fato de que toda redenção da alma e plenitude da vida giram em torno de Cristo. Além disso, o homem não pode por si só alcançar absolutamente nada; tudo vem por meio de Cristo. Cristo é superior a tudo! A supremacia de Cristo é o que direciona a mensagem. Não existe um meio de transformar o indivíduo sem apresentar Cristo, pois não há salvação em nenhum outro (At. 4.12). Somente a pregação cristocêntrica é poderosa para transformar o homem de perdido para redimido, de pecador para santo. O conselho de Paulo é valido a nós: “Pois não pregamos a nós mesmos, mas a Jesus Cristo, o Senhor” (2 Co. 4.5).
Em suma, a mais urgente necessidade da igreja cristã da atualidade é a pregação autêntica e cristocêntrica da Palavra. A falta de conteúdo cristocêntrico nos púlpitos de muitas igrejas nunca se fez tão visível como nos dias de hoje. Não são poucos os que dizem que estão “ungidos” por Deus e com a desculpa de que é o Espírito Santo que fala, tem deixado de pregar o evangelho de Cristo e tem pregado suas próprias ideias. A sabedoria humana tem sidomaximizada e a grandeza de Cristo minimizada. Stott (2005, p. 32) estava com razão quando afirmou:

A pregação não existe para a propagação de ideias, opiniões e ideais, mas para proclamação dos poderosos atos de Deus [...] Palavra de Deus é essencialmente o registro e a interpretação do grande feito redentor de Deus em Cristo e através dele. As Escrituras dão testemunho de Cristo, o único Salvador dos pecadores. Assim, um bom despenseiro da Palavra será sempre um zeloso arauto das boas novas da salvação em Cristo.

Pastor Jailson Santos





[1] A exortação foi uma exortação verdade. Eles foram incentivados a continuar na fé. Não havia dúvida de que os crentes genuínos continuariam. Ainda mais, o fato de que eles fizeram continuar evidenciou a realidade dos seus compromissos (Cf. MELICK, 2001).


Baixe gratuitamente a apostila do curso

* Obrigatório

Recursos

1 Portal interativo
Com tutoria virtual, videoaulas, e-books, fóruns e atividades complementares
50 Recursos para baixar
O aluno terá acesso aos slides de todas as aulas, além de e-books, exegeses, artigos e outros materiais
26 Atividades extraclasse
Ao final de cada aula o aluno terá uma atividade para fazer durante a semana em casa

Equipe

Pr. Jailson Santos
PROFESSOR
José Ventura
PORTAL DO ALUNO
Rodrigo Rodrigues
VIDEOMAKER
Denise Ávila
KIDS

Downloads

BAIXE NOSSOS MATERIAIS

Não saia de mãos vazias!

Faça parte de comunidade de interpretes

Seja + 1 a rebeber nossos materiais em seu e-mail

Baixe gratuitamente vários recursos

E-books, Apostilas, Slides, Videoaulas, Exegeses e Artigos

Cadastre-se agora mesmo

Preencha os campos ao lado. É fácil e rápido!

RECEBA AGORA MESMO MATERIAIS GRATUITOS EM SEU E-MAIL

Visite o blog do Professor Jailson Santos